Este minicurso tem como objetivo analisar a dinâmica global da migração africana, sob uma pespectiva histórica e espacial. Trata-se de compreender o estabelecimento e a redistribuição da migração à luz das crises econômicas e políticas dos países africanos, mas também no contexto do fechamento progressivo das fronteiras europeias e da globalização do hemisfério Sul.

 

Professor responsavel: Régis Minvielle – pós-doutorando, Fapesp.

 

9, 16, 23 novembro, 17h-19hs.

 

local: sala 1041

 

Este mini-curso tem como objetivo analisar a dinâmica global da migração africana, sob uma pespectiva histórica e espacial. Trata-se de compreender o estabelecimento e a redistribuição da migração à luz das crises econômicas e políticas dos países africanos, mas também no contexto do fechamento progressivo das fronteiras europeias e da globalização do hemisfério Sul. A percepção do contexto macro é fundamental para compreender o complexo processo de dispersão e multiplicação de destinos, ocasionado tanto por decisões dos Estados nacionais quanto pela adaptação dos migrantes a elas. Esses ajustes/adaptações estão refletidos na capacidade de os migrantes superarem barreiras nacionais e isso envolve a construção de itinerários que passam por várias etapas, as quais tendem a se multiplicar. Este é um aspecto importante a ser considerado, pois é o que nos permite falar na configuração de um “sistema migratório”. Por outro lado,  se fatores estruturais, tais como o desemprego ou condições climáticas (é o caso das secas) pesam nos fluxos migratórios, estes são também alimentados por motivações individuais, entre desejos de aventura e imaginários do sucesso. Finalmente, fecharemos o Curso examinando as diferentes formas de inserção dos migrantes africanos em seus vários locais de recepção, com ênfase na América do Sul. Após analisar o contexto do migrante vendedor de rua, sujeito a toda sorte e adversidades devido à sua visibilidade no espaço público, analisaremos também outras formas de inserção nos territórios urbanos, que coexistem e chamam a atenção de que o fenômeno migratório é atravessado por múltiplos universos sociais e profissionais.

 

Distribuídas em três sessões, o mini-curso tomará como referência empírica pesquisa sobre a fluxos e circuitos dos migrantes senegaleses, tomando como ponto de partida a presença desses migrantes no centro da cidade de São Paulo. Dando continuidade as pesquisas anteriores realizadas em Buenos Aires, a pesquisa em São Paulo teve inicío em 2015, desdobrando-se em uma estadia de seis meses no Senegal, com o objetivo de reconstituir  circuitos e agenciamentos situados desse fluxo migratorio.Essa pesquisa contou com apoio da Fapesp, na forma de uma bolsa pós-doutoramento associada ao Projeto Temático “Gestão do conflito na produção da cidade contemporânea”, coordenado pela Profa. Vera da Silva Telles (2013/26116-5).